A crítica da Esquerda é Fútil

Apesar do monopólio da Esquerda sobre o pensamento social, ela não consegue fazer uma crítica razoavelmente concreta, cai em clichês e futilidades que nada acrescentam.



A FUTILIDADE É UM PRIVILÉGIO. No outro post CAPITALISMO E O DIREITO BURGUÊS DE SER FÚTIL, citei Emil Cioran (1911 – 1995) que diz “a frivolidade é um privilégio”, na realidade ele é mais profundo, ele diz:  “futilidade é um privilégio e uma arte” em “Breviário da Composição”, poderia colocar aqui o texto completo que não ficaria satisfeito, devido a profundidade de seus escritos. Mas deixarei somente frases soltas e a indicação do livro, continuarei aqui a mesma proposta do pensamento anterior.

A futilidade é um privilégio! E acrescento que a banalidade do mundo é uma oportunidade de fugir do conforto ao reconhecer na existência algo para além do senso comum. Sair da caverna dá medo! Concordo com I. Kant (1724 – 1804), quando diz que a maioridade é de responsabilidade exclusiva do indivíduo, e, somente na liberdade é que podemos nos afirmar moralmente, sem liberdade a moral não pode ser verdadeira!

A banalidade e o medo da liberdade ou da maioridade intelectual, consequentemente, leva a uma vida de rebanho, desprezando a beleza de ser indivíduo, ou como prefere Nietzsche (1844 – 1900), aproveitar a dor e as alegrias da existência humana.

A turma da esquerda, com seu monopólio das ciências sociais, nem ao menos consegue fazer uma crítica razoável ao modo de vida contemporâneo, eles estão, no mínimo, com a cabeça presa na década de 1920. Veja qualquer discurso ideológico de Marilena Chauí (1941), sempre fico com a impressão de ter ligado o radinho de pilha do meu avô e ter sido transportado para época da Guerra Fria.



Ninguém nunca irá abrir mão do conforto dos bens de consumo que somente o modelo capitalista é capaz de gerar – é uma bobagem, um absurdo! Uma crítica vazia. Quem abriria mão de WI-FI, Smartphones, FaceBook Airbnb, Netflix e todo o aparato de mercado? Outra coisa, achar que a tecnologia não nos aproximou é uma cegueira ideológica! Não faz sentido nenhum. Ninguém nunca saiu por aí conversando com todo mundo só por que não existia outros meios de comunicação, o comum é, o isolamento, por uma série de motivos, principalmente, segurança. A verdade é, a tecnologia nos aproximou das pessoas que realmente são importantes, antes quanto tempo demorava para receber uma carta de alguma pessoa importante, os pais, esposa ou filhos? Eu não sei. Mas o que vejo hoje é que estamos a um click de distância de vídeo conferências para qualquer parte do mundo – fácil!

Agora, é claro, muito antes de tudo isso, os antigos Gregos já nos alertavam sobre excessos. Que tal um contraste entre Apolíneo e Dionisíaco? O primeiro deus Grego da moderação o outro representante dos exageros. Ainda, há um outro Grego que vivia dentro um barril, Diógenes de Sinope (412 a. C – 323 a. C), vivia de forma simples buscando um homem honesto. Na Idade Média, a influente filosofia cristã, faz uma filosofia, em boa parte, sobre abusos no modo de viver.

A conversa sobre achar a boa maneira de viver é antiga. Não nasceu ontem na mão de um monte de malucos esbravejando nas redes sociais com um seu Iphone e achando que está protegendo chineses através do seus Likes em páginas contra o mercado. A coisa é séria, e tão séria que podemos ver a preocupação dos nossos antepassados no tema.



Sou de modo geral pessimista, mas acho que estamos indo bem. O mundo é melhor do que já foi. Tirando os países que caíram nas falácias de igualdade e hoje estão na pobreza sem muitas perspectivas de sair, porém até mesmo eles, por que não dizer? Estão melhores do que foram a 200 anos atrás quando começou a Revolução Industrial. Países em desenvolvimento como brasil ainda têm chances.

Somente a história dos últimos cem anos mostra que, entre as escolhas que tínhamos, o capitalismo, foi a melhor opção. Não é perfeito, nada é! Mas pode ser aperfeiçoado. Dizer que não estamos melhor é muito desapego da realidade, ou simplesmente apego ideológico – vai entender!

No mais, quanto as questões humanas, sempre fomos o que somos, animais pouco civilizados que gosta muito da sua privacidade! Dizer que pessoas não se olham nas ruas por causa de celulares é uma bobagem, uma afirmação fácil, fraca e infantil. Basta olhar para imagem acima. Quando é que fomos tão sociáveis como somos hoje, com as redes socias? Esta certo que a turba é enfurecida, mas a realidade é, a turba sempre foi enfurecida, Senêca (4 a. C – 5 a. C) morria de medo de revoltas populares e a concelhava aos reis a moderação e a medidas populistas, para agradar o povo, pão e circo é coisa antiga, Étienne de La Boétie (1530 – 1563) em “Discurso da Servidão voluntária” discorre sobre tempos e lugares que esta prática foi comum. Mas estamos muitos mais sociáveis, sim.

Porém, a verdade é, aqueles que estão a sua volta no transporte público ou qualquer outro lugar não importam, as pessoas que realmente importam são aquelas do seu dia-a-dia, amigos e familiares.