MANIPULAÇÃO DAS MÍDIAS – COMO AGIR?

Ícones de diversas redes sociais. Facebook, Instagram, Twitter, Google plus, etc.

A grande maioria das pessoas não entende como suas próprias ideias chegaram em sua cabeça. Não compreende como são influenciadas através de mídias sociais. não compreendem que tudo que acontece Off-line começou On-line!

Não à toa, todos os anos é publicado no Facebook 3,3 milhões de post, no Instagram 50.000 posts, enquanto no Twiiter 400.000 posts em contagem por minuto [1]. PRODUZIMOS MAIS DO QUE PODEMOS CONSUMIR? Não necessariamente! A quantidade de ideologia produzida parece muito mais uma guerra de narrativas do que propriamente conteúdo. E ideologia não ensina. Ideologia é doutrina!



A nova mídia, e a nova economia na Era digital, são movidas por cliques. Quanto maior o número de cliques, entradas no site ou blog, maiores são os ganhos. Então, as chamadas sensacionalistas, são elaboradas para isso. E, como os seres humanos, sempre foram movidos por impulsos, caem, ou melhor, clicam naquilo que mais chama a sua atenção. Aumentando, assim, a monetização, que aumenta o sensacionalismo que aumenta a curiosidade que aumenta, novamente, a monetização.

Desta forma, há inúmeras maneiras de manipular a opinião pública, vender produtos ou, até mesmo, candidatos. O escritor Ryan Holiday (1987), em seu livro “Acredite, Estou Mentindo – Confissões de um Manipulador das Mídias” descreve e mostra como é fácil manipular grupos inteiros de ativistas, faz isso criando controvérsias e ódio. E ódio gera cliques, e cliques geram cada vez mais repercussão que geram mais cliques.

Ao promover um filme, por exemplo, vandalizou os próprios cartazes que havia mandado fazer, assim com alguns e-mails anônimos, criou euforia controversa entorno do filme, depois deixou que os movimentos feministas fizessem o trabalho com “boicotes” e manifestações. O filme não era controverso, e depois de alguns anos, passado o calor do momento, todos perceberam que se tratava de algo arranjado, e manipulado, para criar polêmica em torno do filme, deu certo,

“Tucker Max se tornava cada vez mais famoso e controverso”

palavras do escritor. Ou seja, conte uma mentira até ela se tornar verdade, ou quem sabe, só vender o que deseja.

Explorar a percepção das pessoas para vender produtos – pessoas e ideias também são produtos – é muito fácil, com as técnicas certas, objetivos definidos e conhecendo bem as mídias.

As mentiras e as FakeNews poderiam facilmente serem desmascaradas – e é para isso que a liberdade de impressa serve – mas, se as pessoas desconfiassem daquilo que acreditam não cairiam tão facilmente em conto do vigário On-line.

Um pouco de ceticismo, no sentido filosófico, conservadorismo político, e pessimismo com a natureza humana evitariam muitas dores de cabeça. Porém, o que mais vejo, é gente tentando confirmar aquilo que elas já acreditam, através de notícias – e isso é um prato cheio para os manipuladores da mídia!

[1]. Os Números Retirados do Site DIGITAL MARKET – ASIA.  http://www.digitalmarket.asia/solving-internets-tmi-much-information-problem/



Deixar uma resposta