Ética em Foucault

Influenciado por Nietzsche, Freud e Marx ficou conhecido como um dos mais originais filósofos do século XX, inspirando, assim, diversas área do conhecimento como fiosofia, história, psicologia e ciências socias.

Michel Foucault (1926 – 1984), francês. É considerado um dos pensadores mais originais do século XX. Foucault, através de suas obras, abalou tanto a filosofia como a psicologia e, também, as ciências socias. Influenciado pelo estruturalismo francês e a fenomenologia e, como o próprio autor admite, foi influenciado profundamente por Nietzsche, Freud e Marx.

Principais Obras de Foucault

A História da Loucura (1961), foi seu primeiro trabalho de relevância, inovou a tradicional explicação sobre o conhecimento psiquiátrico e sobre conceitos de loucura e qual a função do louco na sociedade moderna.

O Nascimento da Clínica (1963), um retornou a suas suposições sobre “A História da Loucura”. Com um método arqueológico, reinterpreta a história, tentando demonstrar os pressupostos e elementos subjacentes à alguns saberes determinados dentro do período histórico e, então, relativiza-os.

As Palavras e as Coisas (1966), obra onde o pensador criticou a modernidade, principalmente o iluminismo, questionando seus pressupostos racionalistas e de subjetividade, formulando, assim, sua crítica sobre o nascimento da ciência humana. A partir de uma análise da “formação discursiva”, usando, neste momento, não mais a arqueologia mas, a genealogia – claramente influenciado por Nietzsche – tenta mostrar rupturas e transições entre várias formas de discursos e diferentes períodos históricos.

Arqueologia do Saber (1969), obra onde Foucault começa a esquivar-se do estruturalismo, porém ainda guiado por ele (o estruturalismo) de forma bastante relevante.

Mais tarde, em debates com Jurgen Habermas, Foucault revê seu posicionamento sobre iluminismo a partir de Kant e “O Que é Esclarecimento?”, entendendo a importância kantiana como crítica de um pensamento que busca alternativa.

O Uso Dos Prazeres – Moral e Prática de Si (1984), obra póstuma. Faz parte do segundo volume de “História da Sexualidade” que, por sua vez, faz parte de um projeto maior, em que, Foucault, trabalhava pouco antes de morrer, inclui três volumes “Vontade de Saber” (1976), basicamente metodológico, “Cuidado de Si” (1983) e “Confissões da Carne”(seria o volume 4), ficou inacabado.

O objetivo deste trabalho é aplicar o método genealógico à história da sexualidade desde a Grécia Antiga e o helenismo, passando pelo cristianismo até a modernidade. E, assim, levar adiante sua obra “Vigiar e Punir” (1975), onde crítica os saberes disciplinares que, segundo o filósofo, são formas de controlar os indivíduos e a sociedade.

Para Foucault, as concepções de subjetividade, indivíduo e terapia formaram os saberes, e o período helenístico, com epicurismo e estoicismo, tem relevância essencial nesta formação, desta forma, o pensador, entende que influenciou fortemente a o moral cristã.

Foucault, Michel

Ética em Freud, Sigmund

Com seu Conceito de Inconsciente, Freud, revolucionou o pensamento à respeito da Ética e da Moral do Século XX, questionando, principalmente, o racionalismo Moderno de Descartes e a sua Subjetividade

De origem judaica, Sigmund Schlomo Freud nasceu em Freiberg na Morávia em 1856. O criador da psicanalise foi um pensador de grande influência em campos diversos do conhecimento como ciências, filosofia, religião e artes. Formou-se em medicina e especializou-se em psiquiatria. Morou em Viena, capital do império austríaco, e considerado um grande centro cultural de sua época, início do século XX. Esteve em Paris, porém foi em Viena que passou grande parte de sua vida profissional, lugar onde elaborou sua teoria psicanalítica e realizou seu trabalho clínico. Morreu em Londres 1939, onde estava exilado fugindo da perseguição Nazista.

A interpretação dos Sonhos (1900), foi a primeira obra de relevância deste pensador, onde é possível encontrar, pela primeira vez, o conceito de inconsciente.

Conceito de inconsciente como entrada para à linguagem do inconsciente e a discussão sobre a função da sexualidade na natureza humana, são importantes fontes na crítica ao racionalismo moderno, principalmente, o conceito de subjetividade proveniente de Descartes – onde, acredita-se que, o sujeito pensante, tem total ingresso à sua própria consciência, à sua interioridade. Ou seja, Freud ataca a fundamentação ética da razão e a possibilidade da razão desse valores; questionando, ainda, o ideal de natureza humana, que presume algumas virtudes e, também, ataca, a consciência moral como instância central das decisões éticas.

Isto é, para o psicanalista, as ações humanas não dependem totalmente do controle racional e das decisões conscientes do ser humano, pelo contrário, as ações humanas, em grande parte são determinadas no inconsciente – instintos, desejos reprimidos, traumas, etc. – lugares no indivíduo que ele mesmo não tem acesso, pelo menos não plenamente.

Como funciona o Aparelho Psíquico? Para Freud, é constituído de Id (isso), o que corresponde ao inconsciente; Ego (eu) à consciência; e o SuperEgo (SuperEu), autoridade externa, ou seja, valores morais.

Com estes conceitos, Freud, revolucionou o tradicional pensamento de subjetividade e de consciência, o que, consequentemente, afetou as discussões sobre a Origem da Ética, desde consciência moral até os valores.

O Mal-Estar na Civilização – A consciência Moral, publicado em 1930, em Viena em meio à crises políticas e econômicas, no período conhecido como entreguerras, pouco antes da subida Nazista ao poder. Tem a pretensão de discutir civilização como o resultado do controle sobre os instintos agressivos do ser humano e da luta entre dois atributos  da natureza humana; Eros, a força, agregação entre os homens, ou seja, formação da família, da sociedade etc. e Tânatos; o instinto de morte, para tentar esclarecer a agressividade e instintos destrutivos dos homens.

Desta forma, o pensandor, concluí que “A Culpa” é um dispositivo essencial para a formação da civilização humana, servindo para reprimir os impulsos agressivos dos seres humanos.

Sigmund_Freud