Marvel mudou nome de vilão para evitar problemas com racismo

Os prejuizos do politicamente correto vão além de meras nomeclaturas.

MAIS UMA DO POLITICAMENTE CORRETO.  Quando qualquer fã de HQ, e acho que qualquer pessoa em sã consciência, vê um personagem super-herói, imagina que o atributo do animal foi fundido ao homem, por exemplo, homem-formiga o atributo “pequeno” tornou-se característica do humano Super, ou homem-aranha os atributos da aranha potencializando os atributos humanos, e assim por diante. É assim há séculos, os deuses do Egito eram representados na forma de animais ou na forma antropozoomorfica (meio humano, meio animal), desta maneira o animal emprestava suas caracteristicas e, qualidades, ao homem, como por exemplo o deus Anúbis, com cabeça de chacal, caracteriza a esperteza noturna ou Hórus, com cabeça de falcão tem a capacidade de voar e, assim por diante.

MAS NÃO, agora transformaram os atributos do gorila, que inicialmente foi lançado em 1969 nas HQs, como: força, grande velocidade, resistência e intelecto superior, em um reducionismo racista.

Quando Nate Moore, produtor executivo, explicou a situação em entrevista à Entertainment Weekly: “Nós não o chamamos de Homem-Gorila. Nós o chamamos de M’Baku. Ter um personagem negro vestido como um macaco traria inúmeras implicações raciais que seriam prejudiciais“, mostra que na realidade o problematizador é o verdadeiro racista, é ele, o próprio sujeito que olha para ao mundo desta forma logo, tenta atribuir aos outros este mesmo sentimento danoso, porque olha para si próprio como o detentor de toda bondade existente no mundo, olha e imagina uma importância tão magnânima ao ponto de precisar educar o resto dos reles mortais.

Porém, este é um belo caso de quão nocivo é o Politicamente Correto, quando faz o cerceamento de palavras suprime a ideia que está por trás delas, como dito anteriormente, no caso, os atributos do animal para potencializar o Homem, mas isso ocorre em todos os discursos do politicamente correto, e assim pode-se eliminar ideias contrárias as agendas da esquerda. Desta forma, entram o mérito dos bons contra os maus e conseguem limitar a liberdade de expressão que é a ponte básica para a construção de ideias dentro do espaço democrático.

Homem Gorila lutando contra o Pantera Negra